As liberações de mosquitos especiais por drone poderiam combater a zika?

Drones used to stop the spread of Zika

A WeRobotics é uma empresa com sede em Genebra e nos Estados Unidos, que foi criada para ver como os drones poderiam ser usados ​​para um impacto social positivo. Laboratórios robotizados comunitários foram criados em países em desenvolvimento no mundo todo, e, com seus parceiros, a WeRobotics mapeou rios nepaleses, prestou ajuda a países do Caribe após o furacão Maria e entregou medicamentos no Peru.

Agora, a WeRobotics, com financiamento da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), está tentando resolver o problema dos mosquitos transmissores de doenças. Combater a propagação de doenças fatais pela picada de mosquito tem sido um problema para organizações sem fins lucrativos e agências governamentais há anos, e um dos métodos tem sido o uso de machos estéreis.

Os mosquitos machos são criados em cativeiro, esterilizados através de radiação e liberados de volta à natureza em números tão grandes que superam os machos selvagens pela procriação com as fêmeas e, assim, reduzem significativamente a população. A ciência por trás disso é sólida e pode funcionar muito bem, mas, na verdade, espalhar os insetos estéreis nos países em desenvolvimento onde as estradas são inexistentes ou mal cuidadas nem sempre é fácil. É aí que a WeRobotics entra.

Como a WeRobotics liberaria os mosquitos?

Os drones da WeRobotics destinam-se a transportar os mosquitos em contêineres conectados às máquinas voadoras. Eles devem ser capazes de cobrir uma área muito maior do que jamais foi visto, e cada drone será preenchido com o máximo de mosquito possível.

Após experimentos, o método de liberação escolhido para os insetos usa um elemento rotativo. Os mosquitos caem através de buracos desse elemento, passam alguns segundos em outra câmara para aquecer e, em seguida, saem do drone. O aquecimento é necessário porque, como o cofundador da WeRobotics, Adam Klaptocz, explica, a temperatura dos mosquitos é reduzida para que adormeçam e possam ser embalados e transportados sem causar nenhum dano.

Qualquer modelo de drone pode ser usado com o sistema de implantação da WeRobotics, e projetos futuros podem incluir machos geneticamente modificados para produzir descendentes estéreis e fêmeas infectadas por Wolbachia, que são menos propensas a espalhar doenças através de suas picadas. Os primeiros testes devem começar na América Latina em breve, com a data sendo anunciada quando um local for estabelecido. Os drones serão marcados para ver se estão indo bem na natureza e até onde eles viajam.

Desafios ao projeto

Apesar de Klaptocz dizer que 2 ou 3 drones poderiam controlar a população de mosquitos de uma cidade inteira, há muitas dificuldades potenciais que o projeto poderia enfrentar. O especialista em tecnologia de cuidados de saúde Robert Malkin, que trabalha na Universidade Duke, diz que todas as operações em áreas remotas com falta de infraestrutura são difíceis de manter, mas complementa que o projeto poderia funcionar.

Além da logística técnica, Klaptocz observa como é importante trabalhar e se comunicar com os moradores locais desde o início. Se as pessoas não sabem o que está acontecendo, tudo o que verão é um enorme enxame de mosquitos que estão sendo liberados sobre elas a partir de robôs voando no céu. Assim que entenderem o projeto, elas serão capazes de ver que essa aplicação tecnológica é tão incrível quanto os avanços da tecnologia de dispositivos móveis, que nos permite realizar transações bancárias, saber as últimas notícias e até mesmo jogar jogos de casino on-line em tablets e smartphones.

Dedetização, remoção de água parada e outras medidas terão que ser postas em prática ao mesmo tempo que os mosquitos forem liberados, e a cooperação comunitária é essencial para isso também. Como muitos projetos, é necessária uma combinação perfeita de tecnologia sofisticada e da inteligência humana básica para obter os melhores resultados.

Os drones poderiam conter a chave para erradicar vírus como o Zika e reduzir a Malária, e se os testes mostrarem resultados positivos, o mundo como muitos o conhecem poderia mudar ligeiramente para melhor.

Fontes:

https://spectrum.ieee.org/robotics/drones/drones-distribute-swarms-of-sterile-mosquitoes-to-stop-zika-and-other-diseases

http://www.healthmap.org/ai.php?5455100&trto=en&trfr=en&pid106